OS SERVIDORES PÚBLICOS E OS DESTRUIDORES PÚBLICOS   (16/05/2013)
Poesias
Por: João de Freitas Pereira

Quem trabalha para o Estado
É tido como o culpado
Pelos males da nação.;
Tem vivido horas críticas,
Alvo de armas políticas
Dos que zombam do povão.

 

Quando vem lá do Nordeste,
Aquele cabra da peste,
Perseguindo o servidor,
Com seu intento baixo,
Recebe do populacho
Um apoio avassalador.

 

Sofrendo a conseqüência,
E ferida a consciência,
O povo volta atrás:
Desfazendo seu malfeito,
Exercita seu direito,
Para ficar em paz.

 

Vem um outro mais perspicaz,
Com argumentação falaz,
E pega o bode expiatório,
Imputa-lhe todo o pecado,
Só quer vê-lo imolado
Ou lançado no purgatório.

 

A plebe está convencida
De que essa é a saída,
É a boa solução,
E reafirma, revalida
Aquele que dilapida
As riquezas da nação.

 

E agora? Não há sossego:
Aumenta o desemprego,
Os impostos, a recessão...
Deus agora nos ajude!
Ah, como vai a saúde,
A segurança, educação...!!!

 

Os pobres, no desespero,
Escolhem o “companhero”,
Como a última esperança.
... mais impostos, menos proventos,
Redução dos vencimentos...
Agora é que a gente dança!

 

O nosso dinheiro sumiu,
Mas quem levou ninguém viu,
O chefe não sabe de nada:
Caixa dois, mensalão,
Mala cheia, cuecão...
Coisa pública virou privada.



618 exibições


Avalicações
Excelente: 0
Bom: 0
Regular: 0
Ruim: 0

AVALIE ESSE TEXTO


Você gosta de escrever? Quer um espaço para divulgar suas ideias sem pagar provedor?  Clique em crie sua conta, faça seu cadastro e comece a escrever.  Não lhe custará nada, e você poderá estar contribuindo na defesa de um pensamento.

3 usuário(s) online