ESTADO ADMITE CULPA   (11/12/2013)
Economia e Política
Por: João de Freitas Pereira

Lei reconhece existência de 136 mortos pela ditadura.

5 de Julho de 2003

 

SOBREVIVENTE
A dentista Marlene de Souza Soccas, de Criciúma, foi companheira de Paulo Stuart Wright, um dos catarinenses mortos pela ditadura militar.

Parentes das vítimas da ditadura militar consideram insuficiente a lei que indenizou as famílias. A Lei 9.140 assumiu de imediato 136 desaparecidos como mortos. Assim, o Estado reconheceu a responsabilidade pelo seqüestro, prisão, tortura e morte dessas pessoas. Ao final dos trabalhos da comissão criada a partir dessa lei, foram protocolados no Ministério da Justiça 773 processos referentes a 366 pessoas, excluindo os desaparecidos já relacionados pelo Estado. "Falta tudo. Apurar as reais circunstâncias dos crimes, descobrir os responsáveis, punir essas pessoas", desabafa Suzana Kniger Lisboa, da Comissão de Familiares de Mortos e Desaparecidos Políticos. O repórter Luis Fernando Assunção conclui nesta edição a série Os Mortos da Ditadura, com depoimentos da dentista Marlene de Souza Soccas, 68 anos, de Criciúma, de Derlei Catarina de Luca, nascida em Içara, que sobreviveu ao pau de arara e aos torturadores, e de Inácio da Silva Mafra, vice-prefeito de Blumenau, que ficou desaparecido por dez anos.

http://www1.an.com.br/2003/jul/05/index.htm

 

"Chamam-se desaparecidos políticos no Brasil os militantes de organizações de oposição à ditadura militar (1964-1985) cujo paradeiro é desconhecido ou cuja morte é presumida, embora não comprovada. A responsabilidade por esses desaparecimentos forçados durante a ditadura tem sido atribuída a organizações do Estado brasileiro ou a terceiros - com autorização, apoio ou consentimento dos governantes da época.1

No início da década de 1970 o aparelho repressivo governamental passou a adotar meios ilegais de repressão política, tais como sequestro, cárcere privado, tortura, assassinato e ocultação de cadáver. De acordo com o livro Direito à memória e à verdade, publicado pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República durante o Governo Lula, 475 pessoas morreram ou desapareceram por motivos políticos naqueles anos.2 Esse número pode ser muito maior se levarmos em conta a extensão territorial do Brasil, a ausência de estudos estatísticos, o elevado número de pedidos de indenização, a inclusão de não-militantes na lista de desaparecidos e aqueles cujos familiares não deram queixa.3

Em contrapartida, os militares também homenagearam as 126 vítimas da guerrilha empreendida por organizações de esquerda, instalando placas com os nomes desses mortos no Salão Nobre do Clube Militar do Rio de Janeiro em 1° de abril de 2009" (Wikipédia).

 

E, depois de tudo isso, ainda existem muitas pessoas desejando o retorno desse regime!  Dizem que os políticos de hoje são ladrões, mas não percebem que isso seria comparável a trocar furto por latrocínio.

 

Ver mais sobre a DITADURA MILITAR



701 exibições


Avalicações
Excelente: 0
Bom: 0
Regular: 0
Ruim: 0

AVALIE ESSE TEXTO


Você gosta de escrever? Quer um espaço para divulgar suas ideias sem pagar provedor?  Clique em crie sua conta, faça seu cadastro e comece a escrever.  Não lhe custará nada, e você poderá estar contribuindo na defesa de um pensamento.

5 usuário(s) online